A tecnologia é um grande motor de mudança. Não há dúvidas de que o surgimento de novas ferramentas e dispositivos alterou profundamente a forma como as pessoas vivem e o modo como as empresas operam.

Vale lembrar, entretanto, que a transformação é ainda mais profunda e atinge todos os indivíduos em suas mais diversas atribuições: as relações de trabalho, por exemplo, também tiveram que se adaptar à disruptura tecnológica, enfrentando desafios iminentes e encarando novas oportunidades.

Neste post, você entenderá um pouco mais sobre o contexto das mudanças provocadas pela tecnologia, principalmente no que diz respeito às relações de trabalho. Afinal, para além de recursos inovadores, é preciso entender que as profissões, tais como eram conhecidas, também tiveram que se adaptar a um mercado transformado — e que os profissionais mais competentes são justamente aqueles que embarcam e participam de um processo focado em evolução contínua. Boa leitura e bons insights!

Como a tecnologia afeta as relações de trabalho?

Em 2018, uma pesquisa liderada pela ManpowerGroup revelou que, dos mais de 18 mil gestores entrevistados, 90% deles disseram que as suas operações seriam impactadas pela digitalização em, no máximo, dois anos. O resultado é global, já que líderes de 43 países foram ouvidos, e reforça algo que, embora não seja novidade, continua merecendo a atenção dos profissionais: a disrupção tecnológica nas organizações.

Para começar, é pertinente dizer que o funcionamento de uma empresa se assemelha ao de uma máquina. Quando os equipamentos são modernos e as engrenagens estão ajustadas, o rendimento da fábrica é alto e o faturamento do negócio cresce.

Por outro lado, sempre que há desvios — seja uma desregulagem no molde, seja um desajuste no envase — a produção cai e a companhia sofre com prejuízos.

Com a tecnologia e as relações de trabalho, a metáfora é igualmente valiosa: quando há sinergia entre a capacidade técnica humana e o aparato tecnológico, os resultados são cada vez mais expressivos e consistentes.

Ao negligenciar o poder das inovações, os profissionais perdem a chance de se antecipar à demanda do mercado e, claro, de corresponder às novas exigências do trabalho.

Em vez de se empenharem em uma operação manual, é necessário que saibam administrar tecnologias automatizadas, tais como softwares e equipamentos de última geração.

Qual é o impacto da tecnologia nas profissões?

De modo geral, o impacto é profundo e irrevogável. Não dá para voltar atrás e eliminar tudo o que a tecnologia fez (e continuará fazendo) pelo mercado e pelas profissões. Cabe ao profissional, portanto, a iniciativa de imergir no novo contexto e, de lá, tirar expertises relevantes às empresas tecnológicas.

No marketing, por exemplo, muita coisa mudou desde que a era digital tornou-se uma realidade quase unânime. A maior disponibilidade de dados alterou as bases da comunicação mercadológica, permitindo que as organizações (e os profissionais da área) aprofundassem o seu conhecimento a respeito dos potenciais clientes.

Imagine, por exemplo, ser capaz de segmentar o seu público com precisão e, com isso, direcionar mensagens bastante segmentadas a um custo otimizado. Essa é a realidade do marketing digital.

Agora, prossiga no relacionamento: pense na possibilidade de acompanhar toda a jornada de decisão do contato, rastreando as suas interações com base em seu perfil de consumo e nutri-lo de modo relevante até que ele esteja pronto para comprar — inclusive produtos ou serviços personalizados, ideias para ele. Essa é a perspectiva do Data Science, que culminou com o surgimento de uma nova profissão, o Data Scientist.

Tudo isso só é possível porque houve um significativo avanço tecnológico e só pôde ser viabilizado porque há profissionais qualificados e preparados, aptos a pensar fora da caixa e a fazer acontecer.

Na prática, tal como ocorreu com o marketing, todas as profissões passam por mudanças extraordinárias — e cabe a cada um, no desejo de galgar novas posições e desafios, a missão de mergulhar no paradigma tecnológico da atualidade.

Como se preparar para um cenário de mudanças constantes?

A resposta é direta e depende exclusivamente do profissional: aprimorando-se. Somente ao buscar atualização constante, desvendando os mistérios e as potencialidades das tecnologias emergentes, é possível reunir as competências que um mercado altamente dinâmico exige.

O primeiro passo é analisar a área de atuação e vislumbrar novas oportunidades. Com isso em mente, é hora de recorrer a formações robustas — tais como pós-graduações e cursos livres —, capazes de transmitir conhecimentos atualizados sobre temas que estão em evidência.

Nesse aspecto, é importante lembrar que o impacto da tecnologia não se restringe às relações de trabalho: na educação, as metodologias EAD garantem um aprendizado ágil, cômodo e eficiente. Vale investir!

O conteúdo prendeu a sua atenção e, de quebra, desencadeou em você uma série de reflexões sobre o mercado de trabalho e o seu próprio papel, enquanto profissional ativo? Ótimo! Nosso objetivo foi cumprido. Agora, cabe a você continuar essa jornada de aprimoramento constante! Para começar, fique por dentro das novidades da HSM University no YouTube, no LinkedIn e no Facebook.