Instituições financeiras ao redor do mundo vem percebendo a importância de investir em tecnologia implantando a transformação digital nos bancos. Essa é uma maneira de conquistar a satisfação de clientes e atrair novos — atendendo à demanda existente no contexto atual e suprindo as suas necessidades.

Segundo dados do Deloitte, 82% dos consumidores bancários utiliza os serviços de forma online e 72% usam aplicativos móveis para fazer essas operações. Por outro lado, temos visto uma verdadeira revolução no setor financeiro com a presença das fintechs, que buscam entregar soluções não atendidas pelos bancos.

Neste artigo, mostramos a realidade dos bancos ao tentar se adequar às mudanças e inovações tecnológicas, além do potencial das fintechs, como surgiram e o que oferecem.

A realidade da transformação digital nos bancos

Os bancos são instituições criadas muito antes da era da informação e se, por um lado, mantêm a confiança e tradicionalidade dos clientes mais antigos, perderam espaço em relação à geração de millennials — que são adeptos a mudanças e buscam soluções mais rápidas, flexíveis e disruptivas.

Essas empresas demoraram mais que em outros setores para inovar e sofreram com o surgimento da transformação digital, muitas vezes por causa da falta de entendimento dos seus funcionários sobre essa mudança. Isso abriu brechas para a expansão das fintechs e obrigou as instituições financeiras a se adequarem a soluções mais modernas.

Atualmente, os bancos aderiram muitos aspectos de inovação e buscam ser referência para se destacar da concorrência dessas startups. O objetivo é oferecer produtos e serviços totalmente digitais. A exemplo disso, foram criados o espaço Cubo, pelo Itaú, o Next, banco 100% digital do Bradesco, e o Superdigital, do Santander.

Uma pesquisa do FEBRABAN mostra que, em 2017, os investimentos e as despesas em tecnologia do setor financeiro alcançaram R$ 19,5 bilhões. A maior parte dos gastos foi com softwares, sendo o mobile banking o preferido dos consumidores brasileiros. Isso mostra a preocupação dos bancos em atender melhor os seus clientes, mas ainda há muito que ser feito.

O surgimento das fintechs

As fintechs são empresas que prestam serviços financeiros por meio de processos digitais. O intuito é proporcionar serviços focados em atender uma demanda do mercado, além de soluções não encontradas facilmente em um banco tradicional. Como uma revolução no mundo financeiro, receberam muitos adeptos com a sua maneira de otimização e inovação.

O surgimento dessas empresas se iniciou após uma época de recessão. Em 2008, houve uma crise e instabilidade das instituições, na qual abriu uma oportunidade para empreendedores investirem em uma solução para resolver os problemas do período e aprimorar os serviços. Foi necessário ter uma visão sobre o mercado e a integração digital.

As fintechs ofertam contas digitais, cartões de crédito sem anuidade, investimentos e outros serviços. A adaptação da nova geração é fácil e intuitiva, pois cresceram em meio ao mundo tecnológico. De acordo com relatório da KPMG, em 2018, o investimento no setor somou cerca de US$ 556 milhões em todo o Brasil e US$ 112 bilhões no mundo.

Nubank

A Nubank faz parte dessas empresas, sendo uma das fintechs mais conhecidas atualmente. A sua particularidade é o cartão de crédito sem anuidade, além de um ótimo atendimento ao cliente, rendimento maior que a poupança e aplicativo rápido e simples. Também é possível fazer transferências sem custo, compras no débito e outras funcionalidades.

Percebeu como a transformação digital nos bancos foi necessária? As instituições financeiras estão a revolucionar os seus processos e automatizando serviços. Por isso, é importante que o profissional se mantenha atualizado sobre as mudanças tecnológicas e esteja preparado para as inovações do mercado.

Gostou do texto? Assine a nossa newsletter para receber novos conteúdos relevantes como este e se prepare para as novidades do mercado e das mudanças tecnológicas.